Quais as vantagens em morar de aluguel?

Atualizado: 16 de Jan de 2019


Nesses últimos meses vimos muitas notícias sobre o Mercado imobiliário, sendo que a grande maioria dessas informações acabam gerando um sentimento negativo de que o momento desse Mercado não está bom, o que não deixa de ser verdade.


Se entrarmos na discussão dos reais motivos que causaram isso, podemos ficar horas debatendo esse tema, pois de um lado alguns argumentarão que a economia do país está péssima e outros dirão que a ganância desse Mercado perdeu completamente os parâmetros ao cobrar um valor de metragem absurdo em diversas áreas, inviabilizando em grande parte as pessoas a adquirirem seus imóveis.


Como todos que nos acompanham sabem, não gostamos de investimentos no mercado imobiliário e colocaremos os nossos motivos abaixo. Sabemos ainda que todas as vezes que tocamos nesse tema, algumas pessoas se sentem ofendidas, pois ao falarmos desse Mercado mexemos com paradigmas que foram plantados desde que nossos antepassados chegaram ao Brasil, e por isso para muitas pessoas os conceitos dentro desse Mercado são muito enraizados, mas como sempre, tomamos a liberdade de compartilhar conhecimento, e com ele você pode tomar a decisão de concordar, discordar, ou até mesmo se aprimorar.


Porém, de antemão, já adiantamos que sim, o Mercado atual possui excelentes oportunidades para quem tem dinheiro em mãos, ou para quem tem paciência e um bom apoio jurídico para ir a leilões, visto que muitas pessoas estão desesperadas financeiramente e estão abrindo mão de seus imóveis a preços muito inferiores aos valores do Mercado, ou pessoas que já não honraram com seus compromissos financeiros e devido a isso perderam seus imóveis. Se esse for o seu caso, esse Mercado pode ser uma possibilidade.


Porém, nos itens abaixo, colocamos os nossos motivos para não se comprar ou investir nesse Mercado, e priorizar imóveis locados para constituir a sua residência:





1. Perde para a inflação: Muitas pessoas compram imóveis para depois aluga-los, e assim ter a tão sonhada renda passiva. Mas acompanhando o retorno mensal dos imóveis em média, vemos um índice de retorno é de 0,4% em, enquanto a inflação nos últimos meses apresentou índices em torno de 1% a.m, apenas caindo agora, nos últimos meses, fazendo assim com que tenhamos um empate entre o rendimento do imóvel e a inflação, ou seja, não há lucratividade, apenas manutenção do poder de compra. Isso acaba nos gerando um péssimo negócio no momento, visto que a taxa de juros está em alta, gerando boas possibilidades no Mercado Financeiro, com um risco muito baixo a ser assumido.


2. Reformas: Muitos imóveis após as locações necessitam de reformas pois as pessoas que alugam o imóvel muitas vezes danificam o bem, obrigando assim o dono a reformar para poder alugar novamente o mais rápido possível, perdendo assim o pouco ou todo o retorno que teve na cobrança do aluguel. Naturalmente, você pode colocar um processo no antigo locatário, mas isso pode demorar, e muitas vezes não temos esse tempo para esperar.


3. Alta dos juros: Como bem sabemos, a grande maioria dos brasileiros para comprar um bem depende de financiamentos. Com a alta dos juros, temos a alta dos financiamentos imobiliários, inibindo assim as pessoas a comprarem, preferindo esperar uma possível queda. Isso prejudica as pessoas que compram imóveis para vende-los, e assim ganhando uma possível valorização, pois sem comprador, não existe vendedor, e o bem fica “encalhado”.


4. Aumento de regras: Naturalmente com a alta dos juros e a retração da economia, se aumenta também a inadimplência, fazendo com que as financeiras e bancos aumentem as regras para contratação do financiamento, prejudicando assim a quantidade de compradores que passam a ser mais restritos, dando menos giro ainda na estratégia de compra, valorização e venda de um imóvel. Ex.: Antigamente, com 30% de entrada era possível comprar um imóvel, hoje faz-se necessário pelo menos 50% de acordo com o seu relacionamento e histórico no banco.


5. Falta de liquidez: Esse é para nós o maior problema. A liquidez, ou capacidade de compra e venda de um bem é pequena nos imóveis, fazendo com que a pessoa que não está aberta a abrir mão de seu lucro, fique “encalhada“ com o imóvel, fazendo assim seu dinheiro ficar preso, e naturalmente não tendo possibilidades de buscar investimentos diferenciados que pudessem gerar um retorno maior ou pelo menos acima da inflação.


6. Comprar para morar: Com os juros em alta e o mercado imobiliário em baixa, cada vez mais se compensa alugar um imóvel e guardar o excedente aplicando-o, do que comprar um imóvel pagando juros extremamente altos. Nesse momento o caminho é ganhar juros e não pagar juros, e no futuro poder adquirir o bem com o rendimento dos juros à vista, de preferência pedindo bons descontos.


Após a leitura desse artigo sempre recebemos muitos questionamentos de pessoas que tem imóveis, financiados e querem saber se vale a pena vende-los e com o saldo obter rendimentos no Mercado financeiro. E nesse caso vale a pena avaliar, e em muitos casos a resposta é sim.


Ou seja, muitas vezes, vale a pena vender o apartamento, mesmo não tendo lucratividade sobre a venda, quitando assim o financiamento e com o saldo investi-lo no Mercado. Avaliamos isso, principalmente pelo fato de liquidarmos uma dívida de muitos anos, que na maioria das vezes é culpada pelo achatamento da renda de um casal, tornando-os sobreviventes do mundo, ou seja, não tem dinheiro muitas vezes para usufruir da vida como gostariam. Segundo, pela alta dos juros, que hoje nos propicia excelentes possibilidades de investimento.

70 visualizações

Criado por Stardust Agência.