Qual a Diferença entre Expectativas e Previsões?



Hoje optei por compartilhar mais um excelente texto de Tiago Reis, que particularmente sou muito fã. Ele comenta nesse artigo sobre a diferença entre expectativas e previsões, algo que para muitos é parecido, mas que possuem diferenças imensas. No mercado financeiro não é diferente, infelizmente temos muitas pessoas que tentam adivinhar o futuro ao invés de tentar avaliá-lo. Veja mais no artigo que compartilhamos com vocês abaixo.


Dentro do mundo dos investimentos é bastante comum vermos pessoas fazendo previsões. Questionamentos como: “Quando a próxima crise vai acontecer?", “Será que a bolsa vai subir mais?” e “Devo investir no exterior com o dólar alto?” surgem a todo momento.

Não que essas perguntas não sejam importantes, mas é praticamente impossível identificar quando ou em que proporção esses eventos irão ocorrer.

Ainda assim, existe um bombardeio constante de informações, por todos os lados, com diferentes previsões sobre investimentos. A pergunta aqui é: como saber se podemos confiar ou não nessas previsões?

Para responder melhor a essa pergunta, antes precisamos diferenciar entre os conceitos de expectativa e previsão. Embora tenham semelhanças e pareçam ser a mesma coisa, eles possuem uma grande diferença.

Uma pessoa pode ter a ideia de que alguns investimentos não irão performar tão bem, mas não tem como saber quais serão. É possível esperar uma crise financeira – ou que o mercado tenha uma queda superior a 40% –, mas não é possível prever quando de maneira exata.

De forma resumida, uma expectativa é a aplicação do conhecimento de como as coisas aconteceram no passado em relação à probabilidade de se repetirem no futuro. Já uma previsão ocorre quando se diz que algo acontecerá em um ponto específico no tempo.

O fato é que todos os investidores gostariam de poder prever o que vai acontecer nos próximos anos. No entanto, isso é impossível, pois é muito difícil levar em consideração 100% dos milhares de fatores que impactam o resultado.

Por mais que a expectativa não dê o momento exato em que algo poderá acontecer, ela pode ajudar na preparação contra o fator surpresa quando o problema realmente chegar. Isso é particularmente importante ao lidar com investimentos, pois leva o investidor a tomar decisões considerando uma margem de erro e o deixa preparado para quaisquer frustrações.

Na prática, a diferença entre afirmar que uma crise acontecerá na segunda metade de 2021 e dizer que se espera que aconteça uma crise ao longo da década é gigantesca. Se o investidor mantém uma expectativa, não vai se surpreender quando ela se concretizar – e estará preparado. Porém, caso não a mantenha, ele dificilmente terá preparado seu portfólio de investimentos com diversificação. Portanto, poderá enfrentar problemas.

Nesse ponto, entende-se que é preciso ter cuidado ao dar ouvidos a previsões, até porque ninguém tem uma bola de cristal para adivinhar o futuro. Por outro lado, ter uma ideia geral do que é esperado ajuda o investidor a tomar decisões melhores.

Alguns investidores, munidos de previsões próprias ou de terceiros, acreditam que sempre conseguirão investir nos melhores momentos. Mas isso é mais uma ilusão do que qualquer outra coisa.

É muito difícil acertar o momento certo para fazer a compra ou a venda de investimentos, o chamado market timing. Sendo assim, o investidor de longo prazo deve ter paciência, acima de qualquer previsão ou expectativa.

Investir em ativos que tenham uma margem de segurança e uma diversificação inteligente pode ajudar o investidor a criar uma estratégia melhor no longo prazo, preparando-o para a maior parte dos cenários adversos.

Uma habilidade importante a ser adquirida pelos investidores de longo prazo é comemorar quando o preço das empresas em que ele investe cai – a famosa promoção. Veja que estamos falando de preço, e não de valor.

Isso porque o mercado abre uma oportunidade para o investidor adquirir uma empresa cujos fundamentos estão melhorando (receitas e lucros aumentando, companhia ganhando market share etc.) por preços mais baixos. Obviamente, o investidor deve ter o cuidado para verificar se os fundamentos não estão se deteriorando – caso em que deve se preocupar.

Mas isso nem sempre é fácil. Temos um instinto natural de querer comprar sempre no momento certo, esperando, desde a compra, que nossos ativos se valorizem. No entanto, quando fazemos aportes mensais, estamos acumulando patrimônio e, então, quanto mais barato adquirirmos nossos ativos, melhores serão nossos retornos.

27 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo