Você tem Medo de Investir?


Todas vezes que encontro alguém que quer falar sobre investimentos não é incomum me deparar com casos de pessoas que se sentem medrosas nesse momento, e sem dúvida isso é um grande problema.

Ter medo de investir não deveria ser comum, pois investir deveria ser um exercício que todos deveriam ter em seu universo desde os primeiros passos financeiros de suas vidas, ou seja, deveria ser algo tratado como extrema naturalidade, mas para muitos brasileiros não é, infelizmente.

Mas antes de falar sobre os principais pontos que tornam o brasileiro em grande parte medroso no momento de investir, quero conceituar um ponto muito grande, e esse detalhe deveria ser algo que todos deveriam ter medo, aliás muito medo.

Atualmente a taxa de juros brasileira, a Famosa SELIC está em 2% ao ano, ou seja, se você investir seu dinheiro em um produto que lhe retorna a Selic, independente de Imposto de renda você teria uma rentabilidade de 2% em um ano, ou seja, se alocar R$100,00 a serem investidos sobre essa taxa, após um ano teria um rendimento bruto de R$2,00. Complicado não?

Há pouco mais de 5 anos, essa mesma taxa Selic era de 14,25% ao ano, ou seja, mais de 7x maior que a nossa atual taxa de juros, o que realmente era um prato cheio para os chamados conservadores, pois bastava deixar seu dinheiro aplicado a essa taxa e num prazo de aproximadamente 6 anos ele dobraria de valor, sem esforço. Hoje, com a taxa nesses patamares você precisaria de 35 anos para produzir o mesmo efeito.

Esse aspecto obrigatoriamente faz com que o investidor tenha que se expor a mais riscos, pois caso contrário ele terá uma taxa de retorno muito pequena e não verá o seu dinheiro crescer, e além disso temos mais um fator complicado na história, a nossa inflação, que prejudica ainda mais a nossa rentabilidade.

Hoje, a nossa expectativa de inflação para o ano de 2020 é de 1,67%, ou seja, supondo que você siga esse padrão de inflação em sua vida, e os seus investimentos estão aplicados à Selic, o seu resultado sem descontar imposto de renda é ainda pior, pois imagine, você tem que subtrair de sua rentabilidade de 2% ao ano a inflação de 1,67% ao ano, o que resulta aproximadamente 0,32% de rentabilidade real no ano. Complicou não?

E agora qual é o remédio?

O remédio que deveria ser utilizado pelos brasileiros deveria estudar sobre investimentos, buscar informações, se cercar de pessoas que entendem esse mundo, buscar assessores de investimentos que possam direcionar os investimentos em produtos melhores, fugir dos bancos devido ao péssimo atendimento, e retornos piores que o mercado oferece.

Mas o que os brasileiros fazem? Colocam seu dinheiro na poupança!

Sim, colocam! Em pleno no século XXI ainda encontramos muitas pessoas que alocam seus recursos na poupança! E para que você possa ter uma dimensão do problema que isso gera para a sua rentabilidade, vou te contar um segredo, que aliás não é um segredo!

Segundo a regra da nova poupança, no caso da Selic ser inferior a 8,5% ao ano, o rendimento da mesma é de 70% a Selic, ou seja, se você não estava gostando dos 2% ao ano, imagine 70% de 2% ao ano, ou seja, 1,40% ao ano. O que era ruim, ficou pior.

Como já passei o remédio acima, quero expor abaixo os motivos que levam as pessoas a irem rumo à poupança.

São muitas siglas: Sim! Muitas! E o melhor caminho para descobrir o que elas são é a vontade de descobrir o que elas são, ou seja, a maioria das pessoas vê algo que julga complicado, e simplesmente desistem.

Poupança é seguro: Não vou entrar no mérito de seguro ou não, e sim no mérito de que existem inúmeras instituições e produtos financeiros tão seguros ou melhor mais seguros que a poupança que rendem mais e você deixa de conhecer por não procurar se informar.

Meu banco é seguro: A maioria dos bancos no Brasil é seguro, assim como corretoras, fundos, assets. Não é porque um lugar é seguro que outros deixam de ser seguro, aliás o sistema financeiro brasileiro devido a vários problemas da década de 80 e 90 se regularizou de uma forma tão intensa que é considerado um dos setores de maior segurança no mundo. Portanto, deixar de investir em outros produtos ou empresas porque considera seu banco seguro é um erro.

Investimentos tem riscos: Sim! Todos têm! Desde os mais conservadores até os mais arrojados. E por isso que você precisa investir conforme o seu perfil. Você tem produtos moderados, arrojados e conservadores em bancos, corretoras, assets, fundos e diversos lugares, basta investir conforme seu perfil.

Bolsa de Valores é jogo: Depende de quem está nela. Existem 2 tipos de pessoas na bolsa, especuladores e investidores. Especuladores tornam a bolsa um jogo, mas investidores investem na bolsa buscando serem sócios de empresas sólidas com excelentes projetos e que pagam bons dividendos. Na bolsa você poderia ser sócio por exemplo do banco ao qual você investe, que você considera tão seguro. Se o considera tão seguro porque não é sócio dele?

Corretoras são apenas para bolsa de valores: No passado sim, hoje não! As corretoras se tornaram shoppings financeiros, e em sua base tem diversos produtos vindos de diversos bancos, fundos, assets, seguradoras, ou seja, num mesmo lugar você tem acesso a maioria do mercado financeiro sem a necessidade de abrir diversas contas.

Espero que os pontos acima abordados nesse artigo possam ter auxiliado você a compreender melhor esse mundo e ficar mais tranquilo para buscar melhores caminhos para seu dinheiro. Qualquer dúvida, estamos aqui para ajuda-lo.

27 visualizações

Criado por Stardust Agência.