A Regra dos 70

Nesse artigo de Tiago Reis dividimos uma visão de finanças muito importante para qualquer investidor. Nem sempre os investidores atuais possuem conhecimento ou ferramentas de cálculo na disciplina da matemática financeira, e por isso essa regra pode ajudar demais no dia a dia. Claro que uma recomendação que fazemos a todos que pretendem ingressar e crescer no mundo dos investimentos é dominar os principais conceitos de matemática financeira, mas sabemos que nem todos conseguiram adquiri-lo ainda. Sendo assim, essa regra simples pode auxiliar demais no dia a dia. Aproveitem. Você já se perguntou quanto tempo demoraria para o seu investimento dobrar? Da mesma forma, já imaginou o número de anos que levaria para o PIB ou a população de um país duplicar? Ou até mesmo, quanto tempo o valor de uma fábrica seria reduzido pela metade, levando-se em conta uma taxa de depreciação constante? Para responder essas perguntas, poderíamos trazer contas complexas ou planilhas de Excel, mas há um jeito simples e rápido: a regra dos 70. Imagine que temos R$ 1.000 na poupança a uma taxa de 5% a.a. Caso essa taxa continue, quanto tempo levaria para atingir R$ 2.000? Poderíamos fazer essa conta ano a ano. Por juros compostos, no fim do primeiro ano, teríamos R$ 1.050, no segundo R$ 1.102,5, no terceiro R$ 1.157,6, e assim sucessivamente até que, entre o décimo quarto e décimo quinto ano, chegaríamos a R$ 2.000. Se utilizarmos a regra dos 70, também conseguimos obter uma resposta. A regra afirma que, se dividirmos 70 pela taxa de retorno (ou seja, 5% a.a) teremos aproximadamente o número de anos necessários para que o nosso investimento dobre que, neste caso, será de 14 anos, próximo ao calculado anteriormente. Existe um método matemático por trás desse cálculo, que não cabe aqui descrevê-lo, mas saiba que ele é útil para muitos casos. Se um ministro da Economia deseja saber em quanto tempo o PIB de um país será duplicado, pode-se dividir 70 pela taxa de crescimento do país. Por exemplo, nos últimos 35 anos a China cresceu 10% a.a., em média. Se usarmos a regra dos 70, temos que a cada sete anos (70/10%) o país dobrava de tamanho. Logo, durante esses 35 anos, a China dobrou seu PIB cinco vezes, ou seja, hoje o país é cerca de 32 vezes maior do que há 35 anos. Esse cálculo pode ser feito também para entender como o capital sofre depreciação ao longo do tempo. Imagine uma máquina recém comprada por R$ 1 milhão, que tenha uma taxa de depreciação de 15% a.a. Logo, a máquina terá seu valor reduzido em aproximadamente 50% em 4,6 anos (70/15%). Vale ressaltar que, embora não seja tão precisa, a regra fornece aos investidores uma fórmula simples e fácil de usar. No exemplo anterior, enquanto o resultado da regra dos 70 dá 4,6 anos, quando fazemos o cálculo convencional chegamos a um resultado diferente, de 4,2 anos. Dessa forma, a regra dos 70 nos dá uma medida aproximada de quanto uma variável, que apresenta uma taxa anual constante de r% por período, irá dobrar ou reduzir pela metade em 70/r% anos. Apesar da simplicidade desse cálculo, algumas ressalvas devem ser feitas. Se olharmos apenas para períodos passados, não teremos problemas em comparar países ou investimentos. No entanto, quando olhamos para o futuro, a história é diferente. As taxas de retorno esperadas serão baseadas em nossas expectativas, cenários e hipóteses – difíceis de prever – e elas não serão constantes ao longo do tempo. Contudo, essa regra nos possibilita comparar investimentos e até sinalizar, de forma quantitativa, por quais caminhos podemos seguir. Ela complementa o arsenal de ferramentas para a nossa tomada de decisão. Se você pretende, por exemplo, se aposentar em 20 anos e deseja dobrar seu capital, a taxa mínima de investimento seria de 3,5% a.a. ( 70/20 anos = 3,5% a.a.) Assim, apesar de simples e útil, essa ferramenta não é única e, como sempre, devemos analisar e estudar os dados e informações, a fim de estarmos preparados para tomar decisões cada vez melhores e de maneira independente.

A Regra dos 70